As cabras e os cabrões

Ao contrário do que à primeira vista possa parecer o título deste post nada tem de escandaloso ou sequer de original, porque é uma cópia do título de um post de um blogue de um magistrado aposentado, acerca do artigo choque, publicado hoje na revista Sábado, artigo esse que revela várias coisas escandalosas sobre os políticos Portugueses.

Desde logo que se a referida revista não tivesse tido vários jornalistas durante vários meses a analisar as declarações patrimoniais dos políticos Portugueses, depositadas no Tribunal Constitucional, os Portugueses não teriam forma alguma de saber o nome daqueles que possuem o maior património. Listo abaixo os nomes dos políticos milionários do Top 10 nacional:

1º – Basilio Horta………..Presidente da Câmara de Sintra (PS)…..10 Milhões de euros

2º – Lacerda Sales………Secretário de Estado (PS)……………………2.6 milhões de euros

3º – Ofélia Ramos……….Deputada (PSD)………………………………..1.8 milhões de euros

4º – Carlos Moedas……..Presidente da Câmara de Lisboa (PSD)..1.5 Milhões de euros

5º – Mónica Quintela…..Deputada (PSD)………………………………..1.4 milhões de euros

6º – Paula Cardoso……..Deputada (PSD)………………………………..1.3 milhões de euros

7º – Fernando Ruas…….Presidente da Câmara de Viseu (PSD)….1.3 milhões de euros

8º – António C.Silva……Ministro da Economia (PS)…………………1.1 milhões de euros

9º – Sergio Marques……Deputado (PSD)………………………………..1.1 milhões de euros

10º – Elvira Fortunato..Ministra da Ciência (PS)…………………….1.1 milhões de euros

Como bem explica o artigo hoje publicado na revista Sábado, na França, qualquer cidadão pode, em poucos segundos, saber a situação patrimonial de qualquer Ministro Francês, basta que entre no site da Alta Autoridade para a Transparência na Vida Pública. E aqueles políticos Franceses que se esquecerem de entregar as declarações sobre o seu património ou omitirem informações podem arriscar 3 anos de cadeia, o pagamento de 45.000 euros de multa, e ainda ficarem 10 anos sem poderem exercer funções públicas, que foi precisamente o que aconteceu ao Ex-Primeiro Ministro François Fillon, por ter criado um falso emprego de assistente parlamentar para a sua mulher.

Já em Portugal é a pouca vergonha que se sabe, o PS e o PSD (os dois partidos que já se tinham aliado no passado para criar as vergonhosas subvenções vitalícias, que custam milhões aos contribuintes e que explicam porque é que o cadastrado Armando Vara aufere uma pensão de quase 9000 euros/mês) aliaram-se para dificultar ao máximo que os Portugueses possam conhecer a situação patrimonial dos políticos, obrigando a pedidos ao Tribunal Constitucional e ao agendamento de visitas aquela instituição. E não contentes com essa infâmia, ainda trataram de garantir que nada acontece, de verdadeiramente grave, aqueles políticos que entreguem a declaração incompleta ou que nem sequer a entreguem, e a prova cabal disso mesmo é feita no referido artigo, que dá conta de centenas de declarações com falhas e omissões e até de declarações que nem sequer foram entregues. 

PS – O link para o post, que foi mencionado acima, do tal blogue do tal magistrado aposentado é este aqui https://portadaloja.blogspot.com/2023/01/a-cabras-e-cabroes-dos-politicos.html#disqus_thread. Convém porém ter presente que se trata do magistrado pouco dado a meiguices que também já tinha escrito sobre o Governo de José Sócrates o seguinte: “Não se admite que um cabrão de um secretário de Estado, ministro ou um filha da puta qualquer que seja governante e receba do erário público, gaste uma média de 295 euros por refeição paga por todos nós, através do Orçamento de Estado. Não se admite, ponto final”

Actualização em 14 de Janeiro – O mesmo magistrado aposentado, arrasa hoje no seu blogue, a tal sonsa deputada socialista, que acumulava alegremente duas remunerações, a de deputada na Assembleia da República e outra da REN, que lhe permitiu meter ao bolso 11.000 euros/mês. E também não escapam outros socialistas chico-espertos que descobriram a receita mágica para meter milhões ao bolso e nele até se fala das melhorias, pagas com o dinheiro dos contribuintes, numa propriedade de um juiz desembargador, o mesmo juiz que há poucos anos, e foi apanhado numa escuta a pedir ao presidente do IRN (que foi posteriormente condenado por corrupção) que arranjasse comprador – imigrantes chineses candidatos a vistos dourados em troca de investimentos superiores a 500 mil € – para casa de um amigo, em Leiria https://portadaloja.blogspot.com/2023/01/os-moinhos-do-tuela.html#disqus_thread