Processo de Irrelevância Científica Em Curso – PICEC

No Japão todos os anos o Ministério responsável pela ciência daquele país, avalia como é que o número de artigos científicos que receberam um elevado número de citações, se compara com o número de artigos mais citados dos 10 países, com o melhor desempenho a nível mundial. Em Portugal porém, o Ministério a quem cabe a supervisão da ciência, foge como o diabo da cruz, de fazer tais comparações, pela simples razão que não lhe convém que os contribuintes fiquem a conhecer verdades inconvenientes.

Mas se o Ministério agora dirigido pela catedrática Elvira Fortunato não faz o que lhe compete, há quem o faça, mesmo em pleno mês de Agosto. Uma análise (efectuada hoje) da evolução do número de publicações, indexadas na base Scopus (a maior base de literatura científica indexada a nível mundial, cujo acesso não é público), sobre os sete triénios que decorreram de 2012 até 2020 permite perceber que, à medida que aumenta o número de publicações indexadas, aquelas publicações relevantes (que receberam no mínimo 300 citações) tem vindo a diminuir-se de forma acentuada. Ou seja, em Portugal produzem-se cada vez mais publicações, que interessam cada vez menos, à comunidade científica mundial ! 

Por outro lado uma comparação do valor do rácio das publicações Portuguesas, indexadas na base Scopus, que receberam pelo menos 300 citações em relação ao total de publicações no último triénio (2018-202), mostra que Portugal fica muito longe da Islândia (uma diferença superior a 400%) e também que fica bastante longe de países como Singapura e a Suiça (uma diferença próxima de 200%) pior porém é constatar que Portugal até consegue ficar abaixo da pobre Grécia, o que é uma prova da irrelevância científica nacional, que note-se não aconteceu porém por mero azar do destino, mas foi fruto dos esforços nocivos de responsáveis políticos, que contribuiram activamente para o malogrado PICEC, o qual se consubstanciou em três suportes fundamentais, a saber:

1º) A realização de uma pseudo-avaliação de unidades de investigação, onde foram proibidas as métricas que permitiriam estabelecer importantes comparações internacionais, sobrando assim aos avaliadores as duas piores que existem. O número de publicações e o factor de impacto, que até apareceram referidas centenas de vezes nos relatórios da avaliação favorecendo dessa forma unidades cujas fragilidades teriam ficado à vista caso tivessem sido utilizadas métricas relevantes, como a relativa ao número de artigos no grupo top 1% mais citados ou a relativa ao rácio euros/citação, que seria e é particularmente oportuna, num contexto de escassez de recursos financeiros. 

2º) A dispersão (leia-se desvio) de verbas da ciência, para inúmeros subprogramas, e inúmeras tipologias de programas de ciência e tecnologia (com taxas de financiamento anormalmente elevadas, que significam uma violação objectiva do principio do mérito, consignado na CRP), que fazem com que sobrem apenas migalhas para os projectos de investigação (resultando daí taxas de financiamento residuais), quase como se existisse um orçamento paralelo na ciência, vide denúncia pública efectuada em 13 de Novembro de 2020. 

3º) A criação de um quadro de subsídios a empresas (e até mesmo bancos) que alegadamente levam a cabo importantíssimas actividades de investigação, quadro esse que todos os anos faz desaparecer nas tais “actividades de investigação” várias centenas de milhões de euros. Recorde-se que a nível europeu, e de acordo com um documento da OCDE, Portugal é um dos países que atribui mais subsídios às empresas para as tais investigações, ao contrário de países como a Suiça, onde os subsídios do Governo daquele país para “actividades de investigação” são nulos.

PS – Se como recentemente se ficou a saber há largas dezenas de catedráticos em Portugal, que ao longo da sua (longa) carreira foram incapazes de produzir sequer um único artigo que tivesse recebido 150 citações imagine-se quantos mais haverá que foram incapazes de produzir um único artigo que recebesse 300 citações, facto esse que também constitui mais um sinal inequívoco do PICEC, o qual como é evidente é muito mais preponderante em certas áreas científicas do que noutras que combinam elevada dedicação e bastante mérito, as quais (nalguns casos até com poucos recursos) fazem o favor de impedir que a situação Portuguesa seja muito pior do que é actualmente. https://www.docdroid.net/KCxBxFl/2022-portugal-no-ranking-shanghai-pdf