Um sistema eleitoral viciado ?

https://pacheco-torgal.blogspot.com/2019/10/um-sistema-eleitoral-viciado.html

Em Outubro de 2019, sugeri no post acima, que como tinha havido quase 200.000 votos que tinham ido para o lixo, já que não serviram para eleger nenhum deputado, então não seria absurdo que esses Portugueses se recusassem a pagar impostos à luz do principio “No taxation without representation”.

Curiosamente nas eleições disputadas ontem, que o PS venceu de forma clara, mas não com o meu voto, houve novamente milhares de Portugueses cujo voto foi para o lixo, concretamente mais de 170.000 votos, porque não serviram para eleger um único deputado.

Note-se que por exemplo o Partido Livre elegeu um deputado com 67.766 votos, o PAN elegeu um deputado com 80.810 votos e o CDS apesar de ter recebido 85.796 votos não conseguiu eleger um único deputado (irónico neste contexto é saber por exemplo que se o PSD e o CDS se tivessem coligado não haveria maioria absoluta).

Já o PS conseguiu 117 deputados com 2.214.528 votos (curiosamente este partido até conseguiu obter mais votos onde há menos serviços de saúde), o que dá uma média de menos de 19.000 votos por cada deputado, trata-se de um número que curiosamente até é inferior ao número de votos (22.529) recebido pelo partido do conhecido Tino de Rans.

E convém realçar que nos tais 170.000 votos mencionado acima nem sequer estão incluidos os votos em partidos que estarão representados na AR, mas que são deitados ao lixo por conta do efeito perverso de círculos onde só é possível eleger o PS ou o PSD. Dito outra maneira, neste sistema eleitoral viciado, um voto de um Lisboeta, vale em termos de representatividade parlamentar, muitíssimo mais do que um voto de alguém que vive no distrito de Portalegre ou no distrito de Bragança. O valor total de votos desperdiçados é assim superior a meio milhão.

O que significa que se o sistema eleitoral não fosse viciado os votos dos Portugueses ditariam uma distribuição de deputados muito diferente daquela que vai ocupar a Assembleia da República nos próximos quatro anos. Vão ser quatro anos de festa socialista, sendo evidente que aqueles que tem o cartão desse partido e os seus familiares e amigos tem o futuro garantido. https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/09/a-receita-para-um-jovem-poder-ganhar.html

PS – Há uma outra leitura também absolutamente evidente na maioria absoluta do PS, os tais 14 projectos de exploração mineira (leia-se de destruição de património natural) assinados muito à pressa pelo Governo em 21 de Outubro, é para avançarem rápidamente e em força, já que a referida maioria absoluta é uma autorização absoluta para esburacar o Interior de Portugal. E não se diga que foi por falta de aviso https://pacheco-torgal.blogspot.com/2021/05/esburacar-parques-naturais-para-encher.html Convém porém não esquecer que uma simples análise de custos arrasa por completo a falaciosa teoria que aposta forte nos carros elétricos para reduzir as emissões de carbono, trata-se da mesma teoria que serviu ao Governo, via Galamba, para justificar a exploração do lítio, inclusive em parques naturais.